Livros do mês – Março

Livro: O MENINO DO PIJAMA LISTRADO

Autor (a): John Boyne
Bruno tem nove anos e não sabe nada sobre o Holocausto e a Solução Final contra os judeus. Também não faz idéia de que seu país está em guerra com boa parte da Europa, e muito menos de que sua família está envolvida no conflito. Na verdade, Bruno sabe apenas que foi obrigado a abandonar a espaçosa casa em que vivia em Berlim e mudar-se para uma região desolada, onde ele não tem ninguém para brincar nem nada para fazer. Da janela do quarto, Bruno pode ver uma cerca, e, para além dela, centenas de pessoas de pijama, que sempre o deixam com um frio na barriga. Em uma de suas andanças Bruno conhece Shmuel, um garoto do outro lado da cerca que curiosamente nasceu no mesmo dia que ele. Conforme a amizade dos dois se intensifica, Bruno vai aos poucos tentando elucidar o mistério que ronda as atividades de seu pai. ‘O menino do pijama listrado’ é uma fábula sobre amizade em tempos de guerra e sobre o que acontece quando a inocência é colocada diante de um monstro terrível e inimaginável.

Livro: AMANHECER

Autor(a):  Sthepanie Meyer
Estar apaixonada por um vampiro é tanto uma fantasia como um pesadelo, costurados em uma perigosa realidade para Bella Swan. Empurrada em uma direção por sua intensa paixão por Edward Cullen, e em outra, por sua profunda ligação com o lobisomem Jacob Black, ela resistiu a um tumultuado ano de tentação, perda e conflito, para atingir o momento da decisão final. Essa escolha fatal entre fazer parte do obscuro, mas sedutor, mundo dos imortais ou seguir uma vida totalmente humana se tornou o marco que poderá transformar o destino dos dois clãs – vampiros e lobisomens. Agora que Bella tomou sua decisão, uma corrente de acontecimentos sem precedentes se desdobrará, com consequências devastadoras. No momento em que as feridas parecem prontas para ser cicatrizadas, e os desgastantes confrontos da vida da garota, resolvidos, isso pode significar a destruição, para todos e para sempre.

Livro: BRASÍLIA/PARATY – SOMANDO PERNAS PARA DIVIDIR IMPRESSÕES

Autor: Weimar Pettengill
Um, empresário e ciclista; o outro, adestrador de cães, deficiente visual e corredor de maratonas. Eles não se conheciam. A bordo de uma bicicleta tandem – que comporta dois ciclistas – deixaram o Distrito Federal utilizando estradas de terra em sua maior parte, cortando o planalto central, as veredas do sertão mineiro, a Serra da Mantiqueira, a Serra do Mar e a Bocaina, utilizando o Caminho Velho da Estrada Real até Paraty, no Rio de Janeiro. Foram mais de 1700km movidos a força muscular, em 18 dias repletos de aventura, desafios, autoconhecimento e muita superação. Construindo a amizade a cada giro do pedal, desbravando o Brasil para conhecê-lo.

A EDUCAÇÃO FÍSICA NO SERVIÇO PÚBLICO DE SAÚDE:
A Educação Física tem como um dos seus campos de atuação a área da saúde. No entanto, não se observa uma participação efetiva do profissional nas ações de saúde pública, assim como nos serviços públicos de saúde. Neste trabalho estudamos qual o significado do educador físico nesses serviços, por meio de revisão de literatura, e de intervenção, que foi elaborada, proposta e desenvolvida, no Centro de Saúde Escola Samuel Pessoa.
Priorizamos o trabalho coletivo, o aspecto pedagógico dos conteúdos e a participação dos sujeitos. Durante um ano de intervenção coletamos dados a partir de observação participante e entrevistas, realizadas com as pessoas que se envolveram com o projeto “Práticas Corporais e Comunidade” e com alguns profissionais do serviço.
Observamos que o trabalho coletivo pôde auxiliar tanto a comunidade atendida, no contexto sociocultural vivido por ela, como o profissional no sentido de refletir sua prática em relação ao grupo. As particularidades individuais no que se refere às necessidades, aos problemas de saúde e as melhoras relatadas variaram, o que sugere ao profissional um cuidado no modo de conduzir sua intervenção, de pensar a saúde, de forma a estar atento ao que necessitam e desejam as pessoas.
Destacamos que o educador físico no serviço público de saúde pode significar: uma via entre pesquisa e intervenção, na área da saúde e na sua integração com a comunidade; um envolvimento com outras profissões da saúde e o atendimento de necessidades expressas pelos usuários dos Centros de Saúde, uma vez que se trata de um espaço de intervenção que precisa ser pensado e construído, para que este profissional seja um “elemento” a mais na busca pela integralidade da saúde das pessoas.

O FUTURO DA HUMANIDADE – A SAGA DE UM PENSADOR:
Primeiro romance do psiquiatra Augusto Cury, O futuro da humanidade oferece uma rara oportunidade de repensar a sociedade e o rumo de nossas vidas. Com mais de 1,5 milhão de livros vendidos no Brasil, Cury nos presenteia com uma saborosa ficção que ilustra os ensinamentos presentes em seus livros e se apóia na sua vasta experiência profissional.
O futuro da humanidade conta a trajetória de Marco Polo, um jovem estudante de medicina de espírito livre e aventureiro como o do navegador veneziano do século XIII, em quem seu pai se inspirou ao escolher seu nome.
Ao entrar na faculdade cheio de sonhos e expectativas, Marco Polo se vê diante de uma realidade dura e fria: a falta de respeito e sensibilidade dos professores em relação aos pacientes com transtornos psíquicos, que são marginalizados e tratados como se não tivessem identidade.
Indignado, o jovem desafia profissionais de renome internacional para provar que os pacientes com problemas psiquiátricos merecem mais atenção, respeito e dedicação – e menos remédios. Acreditando na força do diálogo e da psicologia, ele acaba causando uma verdadeira revolução nas mentes e nos corações das pessoas com quem convive.
Primeiro romance do psiquiatra Augusto Cury, O futuro da humanidade oferece uma rara oportunidade de repensar a sociedade e o rumo de nossas vidas. Com mais de 1,5 milhão de livros vendidos no Brasil, Cury nos presenteia com uma saborosa ficção que ilustra os ensinamentos presentes em seus livros e se apóia na sua vasta experiência profissional.
O futuro da humanidade conta a trajetória de Marco Polo, um jovem estudante de medicina de espírito livre e aventureiro como o do navegador veneziano do século XIII, em quem seu pai se inspirou ao escolher seu nome.
Ao entrar na faculdade cheio de sonhos e expectativas, Marco Polo se vê diante de uma realidade dura e fria: a falta de respeito e sensibilidade dos professores em relação aos pacientes com transtornos psíquicos, que são marginalizados e tratados como se não tivessem identidade.
Indignado, o jovem desafia profissionais de renome internacional para provar que os pacientes com problemas psiquiátricos merecem mais atenção, respeito e dedicação – e menos remédios. Acreditando na força do diálogo e da psicologia, ele acaba causando uma verdadeira revolução nas mentes e nos corações das pessoas com quem convive.
Uma história de esperança e de luta contra as injustiças, este livro é a saga de um desbravador de sonhos, de um poeta da vida, de um homem disposto a correr todos os riscos em nome daquilo que ama e acredita.

CHE – UMA BIBLIOGRAFIA:
Existem muitos “Ches” espalhados pelo mundo. Para alguns, é apenas um rosto altivo, barbudo e vestindo uma boina com uma estrela, estampado numa camiseta vermelha. Para a CIA, Che era um inimigo perigoso, que deveria ser eliminado. Para os camponeses da região onde lutou na Bolívia, era um santo.
Che também era médico, pai e comandante.
O guerrilheiro nascido a 14 de junho de 1928 tem sua biografia desvendada neste manhwa (quadrinho coreano) de Kim Yong-Hwe, a partir de uma pesquisa acurada e perspectiva histórica, ao mesmo tempo em que se utiliza de diversas referências pop.
Argentino de Rosário, mas cidadão do mundo, Ernesto nasceu numa família com conforto econômico, sustentada pelo pai arquiteto. Aos dois anos de idade começou a ter os ataques de asma que o acompanhariam por toda a vida.
Formado em medicina, partiu com o amigo Alberto Granados por uma viagem de motocicleta pela América Latina, quando começou a entender os mecanismos que regem a dependência entre os países subdesenvolvidos da região e os Estados Unidos.
Depois da prova necessária para conseguir a licença de médico, na Argentina, Guevara viajou até o México para encontrar-se novamente com Granados. Durante essa nova jornada, Che aprofunda sua visão da realidade latino-americana: esteve na Guatemala no auge da PBSUCCESS, sangrenta operação orquestrada pela CIA para destituir o progressista presidente guatemalteco Jacobo Arbenz Gusmán.
Abalado com a ferocidade da ação norte-americana em território estrangeiro, Che decide optar pela revolução como única forma de libertar a América Latina. Depois de conhecer Fidel Castro no México, em julho de 1955, resolve juntar-se aos insurgentes cubanos – e em novembro do ano seguinte é um dos comandantes da milícia armada que se instala em Sierra Maestra e que termina por derrubar o ditador Fulgencio Batista em 1959.
Após a vitória em Cuba, Che torna-se embaixador do país e viaja pelo mundo tentando encontrar países que possam ser aliados ao novo regime instalado na ilha – foi durante essas viagens que Che recebeu a Ordem do Cruzeiro do Sul em 1961, do então presidente brasileiro Jânio Quadros. Porém, decepcionado com o trabalho diplomático, Guevara renunciou ao cargo e resolveu voltar à vocação de guerrilheiro.
Após uma breve e mal-sucedida incursão pelo Congo, Che segue para a Bolívia em 1966. Porém, sem o apoio do governo cubano nem do Partido Comunista boliviano, a guerrilha fracassou e Guevara foi capturado e executado pela CIA em 9 de outubro de 1967.

O CRIME DO PADRE AMARO:
Adaptação do clássico da literatura portuguesa, com linguagem acessível para o público jovem. Amaro Vieira é um padre que vive em Portugal, no final do século XIX. Apesar dos votos de celibato, comporta-se como um homem comum. Acaba se interessando por uma moça chamada Amélia, apaixona-se, engravida a moça, mas não ousa assumir seu filho. Nas manobras para evitar o escândalo, acontece uma tragédia.